Miguel Oliveira: “Honda? Objetivo de todos é estar numa moto de fábrica”

Getty Images

Miguel Oliveira deu uma entrevista ao portal oficial da MotoGP nesta quarta-feira, onde voltou a falar sobre o interesse da Honda e expressou que é um grande privilégio ser associado a esta marca japonesa. O piloto de Almada tem sido mencionado como possível substituto de Marc Marquez na Honda, e ele deixou claro que o objetivo principal de todos os pilotos é competir numa mota de fábrica, mas também está aberto à possibilidade de progredir na equipa Aprilia.

Miguel Oliveira começou por dizer que é uma honra ser considerado pela Honda e que o objetivo de todos os pilotos é estar numa equipa de fábrica para poderem crescer juntamente com a marca. Ele deseja que isso aconteça o mais rápido possível, independentemente de ser com a Aprilia, acrescentando que estar numa equipa de fábrica não é garantia de melhores resultados.

Artigos relacionados:

“Ele é muito aberto comigo e disse-me ‘ok, se eu não gostar mais, eu reformo-me’”- despedida de Marc Marquez poderá estar para breve

Binder assume-se culpado depois do incidente com Miguel Oliveira : “100% culpa minha”

Ele sublinhou que, no atual MotoGP, estar numa equipa de fábrica não implica necessariamente um desempenho superior. Vimos recentemente pilotos de equipas independentes a competirem ao mais alto nível com motas de fábrica, alcançando posições de topo. No entanto, o objetivo final de todos os pilotos é competir na equipa principal, pois isso proporciona um apoio superior da fábrica, mesmo que a moto não seja a melhor do grid.

Miguel Oliveira admitiu que não teve um bom início de temporada com a Aprilia e destacou momentos difíceis, como o acidente com Márquez em Portimão. No entanto, ele encarou esses desafios com naturalidade e ficou motivado para continuar a trabalhar quando se sentiu competitivo na moto. Ele explicou que teve que adaptar o seu estilo de pilotagem à moto e trabalhar em conjunto com a equipa para alcançar um equilíbrio.

O piloto português também mencionou que o pelotão do MotoGP é muito competitivo, e cada moto tem características diferentes, sendo necessário compreender as necessidades específicas em cada pista para obter o melhor desempenho. Por isso, houve um período de adaptação tanto da sua parte como da equipa. No entanto, ele enfatizou que é um desafio conjunto e que ambos, piloto e equipa, precisam trabalhar em conjunto para encontrar o equilíbrio certo.

Leia também:

Revelada a lista de apostas de Fagioli… com FC Porto à mistura

Escândalo das apostas ilegais: Newcastle pode perder Tonali por um ano

Outras notícias